Fone: (16) 3301-0641

Representação apresentada ao MP questiona imóvel de programa habitacional

Seis vereadores assinam documento alegando inconstitucionalidade de lei aprovada em 2008


No dia 7 de novembro, a Prefeitura de Araraquara protocolou na Câmara o projeto de Lei Complementar nº 20/2019, alterando a Lei Complementar nº 911, de 26 de agosto de 2019, que institui o Programa Habitacional Organização de Construção da Autogestão (OCA), de modo a reformular pontualmente dispositivos para melhor aplicabilidade do programa. Uma delas dizia respeito à alteração das áreas que serão objeto de concessão para o programa. O projeto recebeu emendas formuladas pela Comissão de Justiça, Legislação e Redação, entre elas a Emenda nº 02/2019 que autoriza o Executivo, por meio de decreto, a destinar ao programa lotes, glebas e imóveis do município que já estejam previamente desafetados do uso especial ou do uso comum, por meio de lei.

Durante a 136ª Sessão Ordinária, no dia 10 de dezembro, o projeto em pauta, com suas emendas, foi aprovado por dez votos a seis. Com a aprovação, as áreas constantes no Anexo Único da Lei Complementar nº 911 foram substituídas pelas áreas arroladas no Anexo Único-A, do Projeto de Lei Complementar nº 20/2019. “Tal alteração não é garantia de que as áreas substituídas não serão objeto de concessão para o programa, já que o Executivo, por meio de decreto, poderia destinar outros lotes que já estejam previamente desafetados, por meio de lei, do uso especial ou do uso comum, não contando assim, com a participação do Legislativo”, alerta o vereador Elias Chediek (MDB), um dos autores da representação ao Ministério Público (MP) que questiona o OCA. Também assinam o documento os vereadores Delegado Elton Negrini (PSDB), Gerson da Farmácia (MDB), Jéferson Yashuda (PSDB), José Carlos Porsani (PSDB) e Rafael de Angeli (PSDB).

 

Desafetação inconstitucional

Os parlamentares argumentam que, com o texto que foi aprovado, surge a possibilidade do imóvel de matrícula nº 81.880, Inscrição Cadastral nº 09.356.002.00, com cerca de 25 mil m² de área, localizado no Residencial Acapulco, volte a fazer parte do rol dos imóveis destinados ao referido programa habitacional. “Destacamos esse imóvel, tendo em vista que o mesmo foi inconstitucionalmente desafetado, ou seja, a área em questão era institucional e foi desafetada, por meio da Lei Municipal nº 6.893, de 5 de dezembro de 2008, com o objetivo de ser instalada a empresa Comércio e Importação de Produtos Médicos Hospitalares – Prosintese Ltda. Porém, a empresa não foi instalada no lote indicado, e atualmente essa área é cuidada, com muito zelo, pelos moradores próximos ao local. Esses moradores desconhecem a desafetação e acreditam que o imóvel é uma área institucional. Diante disso, é necessário que tal inconstitucionalidade seja sanada.”

A representação destaca, ainda, que o texto constitucional estadual apresenta situações que permitem a alteração da destinação com a finalidade de regularização, porém, no caso em tela, não se poderia invocar tais exceções. “A Ação Direta de Inconstitucionalidade não comporta prazo prescricional, pois o vício é constatado desde sua origem, não podendo, portanto, ser convalidado. O vício de inconstitucionalidade é imprescritível, pois conceber a subsistência de ato contrário, à Lei Maior por decurso do tempo, violaria a supremacia da Constituição”, diz o texto.

Entendendo a Lei Municipal nº 6.893 como inconstitucional, os vereadores requerem ao MP o encaminhamento de representação para exame da constitucionalidade da referida lei, visando à promoção de Ação Direta de Inconstitucionalidade.




Publicado em: 16 de dezembro de 2019

Cadastre-se e receba notícias em seu email

Categoria: Notícias da Câmara

Outras Notícias

Fique por dentro


Memória: há 88 anos, as mulheres brasileiras garantiram o direito ao voto

21 de fevereiro de 2020

O Memorial da Câmara Municipal relembra que o impedimento do voto à mulher somente foi quebrado há 88 anos, em 24 de fevereiro de 1932, com a publicação do Decreto nº 21.076 - Código Eleitoral, que em seu artigo 2º dizia: “É eleitor o cidadão maior de 21 anos, sem distinção de sexo, alistado na f...


Arquivo Histórico

14 de fevereiro de 2020

O Memorial da Câmara Municipal disponibiliza para pesquisa, o Arquivo Histórico/Anais do Poder Legislativo araraquarense. São matérias que foram inseridas na pauta das sessões camarárias, versando sobre a história, memória da cidade, da região, do estado e do país, sobre acontecimentos e fatos q...


Araraquara: 131 anos da sua elevação de vila à cidade

06 de fevereiro de 2020

O antigo povoado de São Bento de Araraquara teve sua freguesia criada no município de Itu, pelo Alvará de 22 de agosto de 1817. Anos mais tarde, em 31 de outubro de 1821, a freguesia foi transferida para o município de Piracicaba, tornando-se vila, por meio de Decreto Imperial em 10 de julho de...


Calendário Municipal do mês: FEVEREIRO

01 de fevereiro de 2020

A cidade de Araraquara tem datas comemorativas importantes para serem lembradas, pois homenageiam profissões, classes e assuntos relevantes. O Memorial da Câmara Municipal relembra essas datas:    Lei Data Descrição Autoria Data comemorativa 6064 28/...


Memória: Crime dos Brito - há 123 anos dava-se início ao crime

30 de janeiro de 2020

Um pouco do contexto histórico Fins do século XIX, a cidade de Araraquara se recuperava da epidemia de Febre Amarela, ampliava suas riquezas econômicas através da produção do café e escoava pela estrada de ferro, inaugurada em 1885. A urbe crescia em volta do largo da Igreja Matriz, o ambiente...


Memória: Biografia do ex-servidor público municipal Euripes Ancelmo

23 de janeiro de 2020

Biografia Euripes Ancelmo nasceu em 6 de abril de 1929, no Distrito de Silvania, Matão/SP, filho de José Cezarino Ancelmo e Angelina Pianisola Ancelmo. De família numerosa, cresceu ao lado dos irmãos Ercilia, Maria Lourdes, Guiomar, Carlos, Werthe e Maria Teresa. Mudou-se com a família aos 6 a...